Casa Cor SP 2016, um raio-x…

Sempre que se fala de Casa Cor SP pensamos em inovação, lançamentos, belas montagens e grande investimento. A poucos dias visitei a mostra e conferi de perto o que foi apresentado. Este ano foi “quase” igual, só faltou o último ingrediente. A mostra está bem menor do que nos outros anos e o time de profissionais que participa também perdeu um grande número de ilustres e notórios. O que importa é que os demais ingredientes estavam lá, em alguns ambientes muito bem representados! A edição deste ano é comemorativa aos 30 anos da Casa Cor e o clima de festa era evidente.

IMG_6699

IMG_6700

IMG_6703

Acima um dos ambientes mais bacanas: Tributo aos 30 de Roberto Migotto, um estar com gabinete e bar com base cromática nude, numa referência dupla aos 30 anos de Casa Cor e a década de 30. As paredes em pergaminho são um charme a parte!

Abaixo outro presente aos olhos e ao bom gosto: a atemporalidade de um assertivo projeto de João Armentano para a grife Ornare. Uma proposta conformada através de ambientes integrados, paredes forradas de painéis de madeira e o máximo dos móveis ocultos.

IMG_6736IMG_6731

31-casa-cor-sao-paulo-2016

Ao longo da casa pode-se perceber uma mistura eclética entre o art déco, o clássico e o moderno, sempre fazendo a composição certa dentro daquilo que a mostra Casa Cor Paulistana tem de melhor: descolada harmonia! Abaixo diversos “insights” que ilustrarão muito bem o tema.

 

Destaque especial para alguns ambientes realmente interessantes, como “Cinema em casa” de Bruno Gap, “Living e Jardim de Inverno” de Dado Castelo Branco, “Espaço Deca” de Marina Linhares e o “Gabinete de Criação” de Patricia Anastassiadis, respectivamente.

IMG_6712IMG_6686IMG_6745IMG_6697IMG_6696

Anúncios

Enfim algo diferente… parabéns Essere!

Apaixonados pela linha Jarrar da “Mobiliário Essere” de Bento Gonçalves… lindo!

Não deixem de visitar e conhecer os outros modelos: http://www.moveisessere.wordpress.com

Um modelo que tem, na sua essência, os traços resultantes de dois projetos que se combinam numa perfeita harmonia, o clássico e novo. —————————…

Fonte: Jarrar

URBANA matéria



URBANA matéria é o alto impacto cênico deste estilo tão contemporâneo, a ideia de conceitos e estilos urbanos criam atmosferas novas, recriando espaços de convívio cheios de personalidade e que tem ganhado cada vez mais espaço no mundo globalizado. São ambientes que seguem esta “alma urbana”, servindo de tema e inspiração para diversos arquitetos e designers.


Os revestimentos e/ou móveis surgem plenos de efeitos e texturas em constante evolução, projetando novas tendências e demandas de consumo. Por esta razão, alguns laboratórios estão dedicados ao estudo deste metropolitano.


A linha “Urban Matter” tem grande impacto em materiais que remetem a cidade, seus espaços cinzas, com mesclas e panos metálicos variados, com efeitos brilhosos, foscos e desgastados, podendo assim agradar a todos os estilos e gostos. Este estilo casa bem com o contemporâneo, realista e imperfeito, apresenta um aspecto heterogêneo de suas superfícies que são basicamente inspiradas pela vida cotidiana.
Pode ser observado, por conseguinte, que a novidade surge com superfícies de aço, concreto e Corten mantendo o “aspecto bruto da mistura” que junto ao calor da madeira criam um toque urbano fantástico e que se presta a usos mais criativos que dão à imaginação todo o espaço e a possibilidade de criação de uma infinita variedade de efeitos e única de cada vez, ou misturados entre si.

Detalhe: Efeito de aço, metal, concreto e cimento, cores de estilo industrial com caráter elegante e discreto oferecem interpretações próprias de cada material natural. O uso de diversos tons, brilhosos e “oxidados” com diversos tons quentes ou bem neutros fazem par com madeira, preto e branco.

Esta Macrotendência repousa junto a um olhar mais vintage, proveniente da moda e do design, o qual foi selecionado de acordo com o estudo de tendências em comportamento e consumo do mundo moderno. Gostando ou não, esta casa contemporânea e cosmopolita ganhou força nos últimos dois anos (como se viu nas coleções apresentadas em Milão) e deve seguir forte até 2018, respeitando o ciclo natural de renovação de estilos.